Total de visualizações de página

domingo, maio 22, 2005

Ninguem Merece

Expressão inconveniente usada atualmente para explicar tamanho desconforto ou absurdo. Porem, usuários desse termo geralmente são aquelas pessoas que como diria meu querido amigo Diego Cavalcante, aquelas que querem dizer "olha eu aqui". Não claro usando esse nome mas pessoas com esse conteúdo qualificativo. A frase é extremamente bizarra, porque ninguém é alguém suficiente pra dizer que alguém é alguém para não merecer tal fato. Mas assim como as gírias do interior do Amazonas e tudo o estado do Pará, há tudo uma forma sonora e irônica de se expressar, fazendo assim com que os poucos conhecedores da cultura atual cabocla se desvie significativamente com esses termos. Outro exemplo que eu citaria era o "vou mesmo". Sendo ao pé da letra, o vou mesmo seria aquela confiante certeza da presença em um determinado lugar, aí dependendo agora da maneira sonorizada exposta para possivelmente interpretar. Todavia, ninguém merece, quando pessoas (se é que eu posso elogia-las dessa forma), alem de falarem de forma estranha, ainda substituírem o s do substantivo mesmo pelo r, encaboclando ainda mais o vocabulário amazonense.
Semana passada, aconteceu um fato bastante comum na minha e provavelmente comum na vida de vocês, mas devido a freqüência, o fato passa por despercebido e que me chamou atenção. Na sexta-feira não havia aula para os terceiros anos da Escola Estadual Marcio Nery, a única coisa em que os alunos tinham que fazer era ir até o Palácio Rio Negro em uma exposição sobre um Frei homenageado pela história do Amazonas. Ok. Eu fui, chegando lá, todas aquelas meninas praticamente se jogando em cima de uns turistas japoneses e australianos que ali visitavam. Eu como uma boa menina discreta que sou sacaniei ironicamente, alias esse ano tem sido muito divertido conviver com pessoas diferentes (não são inferiores) como o pessoal de lá. Em um momento um dos japoneses, falou pro guia da excurssao que essas alunas eram muito educadas e estudiosas, e adivinha o que uma delas (a mais gueguety é claro!) respondeu? "Somos meRmú!". Meu Deus, isso me deu um aperto no coração, foi como um estaca enfiada no meu peito, deu uma vontade de joga ruma granada e explodir aquele palácio por inteiro, que assim acabava de vez com aquelas meninas e também apagava da memória do Japa. Ao que eu esteja pagando pau para o japonês, mas porra, já basta o boi sendo exposto pra mundo todo, quando ele vem pra cá vem uma trika filha da puta falando merda, sinceramente, NINGUEM MERECE!