Total de visualizações de página

quarta-feira, agosto 05, 2015

Assembleia do Prêmio Xibé ganhou espaço no Bem Viver do jornal A Crítica


O Prêmio Xibé quer ouvir você!

Ouvir, ver e sentir! Para tornar a eleição ainda mais democrática, a equipe responsável pela organização do Prêmio Xibé vai organizar no próximo dia 16 de Agosto, uma assembleia coletiva para tratar do regulamento da quarta edição da premiação. O encontro será às 15h, no Largo São Sebastião, no Centro de Manaus.
Desde o ano passado, o Prêmio Xibé da Música Amazonense apresenta uma plataforma colaborativa da escolha das principais categorias. A diretora criativa do Xibé é a jornalista Renata Paula, de acordo com ela, a interatividade pretende ainda melhor. “Recebemos muitas sugestões para otimizar nosso processo e o interesse de voluntários em ajudar no projeto, por isso a assembleia, para transformar cada etapa numa ação pública e popular”, explicou.
Apreciadores da música, fãs dos artistas regionais, músicos, jornalistas e produtores culturais e de eventos são os principais convidados. Assuntos como regulamento, novas categorias, voluntários, tipos de premiação e ideias para o Dia X estarão em pauta durante a reunião coletiva. O prêmio não tem restrição para estilos, o critério determinante é que tanto os músicos quanto as músicas concorrentes precisam ser autorais.
Os prazos para indicações dos participantes já estão definidos o que ainda está pendente é a escolha das categorias populares. As indicações poderão ser feitas de 20 de agosto a 05 de Setembro. De 06 a 19 de setembro, é o processo da inscrição, os músicos e artistas autorais precisarão efetivar a participação na competição neste prazo. Caso o artista tiver várias indicações, ele pode escolher quais categorias quer participar.
As duas primeiras edições do prêmio foram eleitas pela própria jornalista, com a criação do Portal Xibé o contato com o público foi crescendo, tornando possível ter a interação popular. “O público escolhe os indicados, entramos em contato com os artistas e se eles confirmaram a participação, a votação começa”, acrescentou.
Vale lembrar, que o regulamento usado na edição passada e outras informações ainda estão disponíveis no site do Prêmio. www.premioxibe.com.br
DIA X 
Com o intuito de contemplar outras vertentes artísticas, o Dia X é o grande dia para conhecermos os vencedores. A cerimônia de premiação está prevista para o dia 13 de Dezembro, conta com exibição de cinema, exposição de fotografia e artes visuais, além de culinária criativa, em um local ainda a ser definido.
Os artistas premiados terão a chance de tocar ao vivo durante a comemoração do segundo aniversário do Portal Xibé, o evento tem a proposta de ser ao ao livre, com expectativa de público de até cinco mil pessoas e com o maior número de manifestações culturais. A última edição do evento ficou marcada por uma Batalha de MCs, com um toque de hip-hop pra tornar o ambiente cada vez mais democrático.


segunda-feira, março 09, 2015

Acender a lua e se banhar no sol!

A quarta edição do evento O Som que Acende a Lua consegue provar a diferença entre uma festa organizada por produtor cultural e músicos. Não quero gerar rivalidade e sim, evidenciar a diferença. Tanto pela escolha das bandas, articulação de artistas e até a escolha do lugar.
Os illuminatis do Luso, esqueceram que estavam de bolsos vazios e preferiram abrir mão da responsabilidade de uma festa plural. Eu prefiro não saber o real motivo pelo rompimento do contrato com a produtora Fela Kuti Espaço Sideral para a realização do evento. Mas como meu amigo Daniel Fredson é adestrador de fênix, pariu um puta local legal numa gestação cultural em menos de 24h.
Confesso que trocaria a ordem de algumas bandas, cheguei um pouco tarde e perdi o início da festa, mas quando cheguei já era show da Platinados. Er.. O que falar do show que gira a cabeça, aquece o sangue e faz a gente sentir o pulso latente de acordo com os tambores. Uma viagem pelo tempo e que te joga pra décadas a frente...
As exposições me seguraram na área trance, o batidão eletrônico também segurou os roqueiros por muito tempo no ‘tush tush’. O final ficou por conta da Alaídenegão, que dispensa comentários, já era dia e o sol já tava quente quando a neguinha acabou. O show deu a certeza que o domingo das mulheres ia ser ótimo, quem ficou viu.

terça-feira, janeiro 06, 2015

Destaques de 2014


  • Melhor vocalista – Tennesse Nogueira /Johnhy Jack Mesclado
  • Melhor baixista –  Luiz Roberto Góes/Coyotes Voadores
  • Melhor guitarrista – Léo Lima/João Pestana, Pacato Plutão e Superalma
  • Melhor Baterista – Aline Castelo Branco/Espantalho
  • Melhor frontman – Marcos "Tucuman" Chaves
  • Melhor performance – Supercolisor
  • Melhor performance individual  - Marcelo Nakamura
  • Melhor show – Ctrl+Z
  • Melhor banda – Johnhy Jack Mesclado
  • Melhor casa de show –  Estação Cultural Arte Fato
  • Melhor cerveja – Barão Cervejas e Empório
  • Melhor festa – Malaba Jam Festival
  • Melhor tributo –  Ok Computer/Screaming
  • Melhor coro – P8 Crew
  • Menção honrosa – Negro Lamar
  • Maior saudade – Cauxi Espaço Cultural
  • Melhor link – portalxibe.com.br 
  • Revelação 2014 – Pacato Plutão
  • Melhor Participação – Tennesse/Ramon e Infâmia no Dia Mundial do Rock nos Bilhares
  • Voto de confiança para 2015 – Conexão Zona Norte
  • Melhor Música – Banda de Mentira - Os Playmobils
  • Show mais engraçado – Lavoisier 
  • ‘Vai tomar no cu’ do ano – Curadoria do Festival Amazonas de Rock
  • Vergonha do ano – Apresentação do Pirão AM
  • Melhor show nacional – Nando Reis/Ponta Negra
  • Melhor larica – Pretinho Básico
  • Melhor lançamento – Shadows of Insanity - Evil Syndicate
  • Maior orgulho – Alaídenegão
  • Hit do ano – Talento tem! - Leno 
  • ‘Não acredito que perdi’ do ano – Mark Ramone
  • ‘caralho que porra eh essa?' do ano – Bar do Armando na Copa 
  • Cagada do ano – Festival O Alienígena 
  • Surpresa do ano – Arte, Rock e Putaria
  • Pior banda – Demônios do Bodozal


terça-feira, dezembro 03, 2013

Vem aí a mais nova edição do Prêmio Xibé

A correria tá grande mas eu não esqueci disso aqui não! Meus leitores queridos! Estou com novos planos, novas ações e a vontade de crescer profissionalmente só aumenta. A boa nova, vocês podem conferir pela matéria do Lennon Jorge do Diário do Amazonas. Em breve postarei um pouco dessa evolução!


quinta-feira, outubro 10, 2013

ócio


um ocio criativo, me faltam palavras, o que me cala?
já nao fazem mais boas saudades
copo vazio, nó nos olhos de um meio dia escuro
estalos sou sol 
Qual o prazo de validade da dor?
Na dança, na transa, na trança
onde está? 

quarta-feira, setembro 04, 2013

É bom para o moral!


Tentei resistir em escrever esse post mas analisando melhor, conclui que foi uma grande experiencia na minha vida e vale a pena ser compartilhada. A situação aconteceu no ultimo dia 09 de Agosto com uma visita ao Completo Penitenciário Anísio Jobim, o famoso Compaj. Acordei antes das 6h para conseguir me arrumar a tempo de pegar o bonde que iria com meu amigo MC Fino e seus companheiros de grupo, Mensagem Positiva.
O grupo ia se apresentar, pregar a palavra de Deus e fazer umas brincadeiras “free style” com palavras e expressões escolhidas pelos detentos. A situação foi formada por conta da “Semana do Presidiário” e essa era uma das atividades culturais promovidas por um professor de Educação Física que cuida da programação esportiva de vários presídios.
A expectativa sobre o sucesso da visita exaltava nas atitudes de cada, eu, ia apenas registrar o momento, mas logo na entrada fomos impedidos de entrar com câmera e até o notebook que ia ter as bases foi impossibilitado de entrar. Pressão hein?
Pressão mesmo eu senti na hora da revista, oras eu já tinha ido ao Compaj, acho que foi em 2006, levei os filmes do festival Um Amazonas pra rapaziada voltar e a experiência tinha sido muito tranquila. Alguns anos depois, o clima tava pesado e sem que eu pensasse ‘no que estava acontecendo’, eu ouvi um “!” e segundos depois tinham aproximadamente umas 17 mulheres tirando a roupa e se abaixando várias vezes.
Ainda sem entender direito, eu toda enrolada, também tive que tirar a roupa. “OH SHHHIIIT!”. Tava de meia, tênis, calça jeans.. levei quase 2 minutos pra tirar toda a roupa e por de volta. Mas nem morri, mas confesso que fiquei tonta com aquele cheiro de “prikito” que exalou imediatamente.
Passado o susto, as apreensões de equipamentos, estávamos prontos para entrar no primeiro pavilhão que foi o de numero 3. Os caras tavam se preparando pro campeonato de futebol e dominó que tava rolando valendo uma caixa com 50 picolés da massa. UI! De primeira, o grupo deu um show, a emoção foi grande e sensibilizou a maioria dos companheiros de cela.
Ali eu vi que não é exagero a expressão que diz “instrumento de Deus”, e aqueles caboclos eram sim, excelentes ferramentas. Na hora do “free style”, a matemática era a seguinte, a pessoa falava uma palavra e o Fino rimava em cima, de acordo com alguma definição positiva. “Liberdade” foi a primeira palavra citada por todos os pavilhões, em seguida, palavras como “Justiça”, “Família” e “Paz” também foi muito repetidas.  
Cheguei a trocar ideia com vários deles, claro que não falei direito quem eu era justamente para que eles não se assustassem com a minha “função” ali. Aprendi várias expressões e termos usados para ele, assim como os filhos, mães e esposas que também estavam ali, afinal de contas, o dia também simbolizava uma visita e entrega de alimentos, eu me senti a vontade, como se estivesse algum parente, mesmo conhecendo alguns deles pelas matérias dos jornais.
Diante de todas as rebeliões, fugas e terrorismo que tem rolado nas cadeias, eu não consegui ver como um lugar hostil, nem mesmo após a fita que aconteceu no final da apresentação dos meninos...
Cada pavilhão tem a sua cara, um tem mais esportistas outros tem mais artesãos, naquele mesmo esquema ‘Carandiru’, uns trabalhando, outros só fumando e outros com o movimento quente. Enquanto circulava lá, só acompanhava a quantidade de comida que chegava. Não tem miséria na cadeia! Era pacotes de pets com seis barés adoidado, salsicha pacaralho, carne, miojo... muita coisa!
Se eu estava a vontade ali naquele ambiente mesmo cheio de grades, imagina as crianças? Vi filhos de detento se trepando nas grades que nem o homem aranha. Consigo imaginar até a rotina de “visitar o papai na cadeia”, cheguei a ver até “pai e filho” detento. Por isso que volta né? Vai vendo...
A aceitação dos caras com as musicas de rap gospel dos meninos era muito grande mas melhorou ainda mais quando foram para a mesma língua e o “Vida Loka” entrou em cena. Seja velho, novo, pai, filho, doidão, desdentado e até os evangélicos, TODO MUNDO sabe as letras dos Racionais MCS decorado. A rua é noix? Hauhauahau
Os caras representaram, sabem ouvir, sabem falar, são tímidos dentro das ruas realidades, mas até quando um irmão toma uma atitude errada, desnecessária, ninguém condena. Os caras da igreja se ofenderam quando a língua da rua tomou o microfone, intolerância é triste? Mas às vezes é o único jeito que funciona no eixo, extremamente! Vai entender hein?
Lá me disseram que a cadeia não tem mais “xerife”, cada um tem o seu representante a se portar, mas não é bem o que a gente ver por ai em relação às facções, o ruim é que o governo fica que nem uma barata tonta sem saber pra onde ir e enquanto isso os caras ficam lotando as celas. A realidade é a mesma de todo o Brasil, em cela que cabe 7 tem 15.
Sem querer parecer filosofia de Tiririca, mas é notável ver que “quem tem, tem”, e quem não tem, já sabe... Uns carinhas com naipe do finado ‘Seu Flor’ da Grande Família, vestido como se estivesse em Aruba. Também vi a moçada com camisa do “Compensão do Compaj”, queria ser convidada para participar de um campeonato de futebol da cadeia. Consigo só imaginar como deve ser a emoção de cada partida, aposto que deve botar no chinelo os jogos que rolam lá no Clube do Sesi, hein?
Não quero mais me alongar, claro que tem coisas que só minha memória gravou, imagens e palavras que ouvi que só quem estava lá pôde sentir a energia que aquelas pessoas passam. Fique claro que eu acredito na recuperação das pessoas, eu acredito na igreja como fonte de salvação mas só a mente humana pode ser responsável pelo sucesso de alguém.
Muito grata a tudo! Um Salve pro meu irmão Marcio Cruz, vulgo DJ MC Fino que tá aniversariando hoje! Um anjo de Deus! Que amo e desejo todo sucesso do mundo! LUZ!


quinta-feira, julho 18, 2013

O dia que os roqueiros não viram o rock



Eu to ligada que muita gente espera o post seguinte ao dia mundial do rock, quem dera eu estar mais feliz por ter presenciado a mais um momento histórico na música amazonense. Mas nem é bem assim, eu nem achei tão divertido esse ano. Mas vamos por parte, a partir do momento em que eu cheguei.
Não é sempre que o dia 13 de Julho cai no sábado e por infelicidade esse dia eu tava trabalhado, consegui ser liberada por volta das 17h, ainda dei uma passadinha na casa da avó pra tomar aquele suco de caju com torrada e cheguei La somente no show da Espantalho.
De cada já fui ficando impressionada com a multidão de roqueiros que brotara do ano passado pra cá, quando fui ficando há cerca de 100 m do palco eu já podia sentir a energia que aquela banda tava transmitindo naquele momento. Mano, eram mais de mil pessoas ensandecidas ouvindo e cantando (alto) Amanhecer Dirigindo... Foi foda, se alguém aqui já presenciou um momento desses, mesmo com outra banda, por favor, diga aqui, porque comigo, foi a primeira vez.
E olha que eu sou super de banda com a Espantalho, mas eu adoro, divulgo e pelo menos achei uma excelente ideia terem colocado pra tocar. Foda foi o Seta cagando o pau e impedindo de tocar o bis... Me lembra aquelas tretas que rolavam desde os tempos do Fronteira Norte que as bandas mais legais tocavam em horários escrotos e a banda do organizador é no melhor horário.
Em seguida foi a vez dos meus queridos da Playmobils, depois de anos de muita pegada esse powertrio não deixa ninguém parado. Queria eu ter tido bateria suficiente pra filmar o show e a roda monstra que foi se formando no decorrer das músicas. O show foi excelente, um dos melhores shows que vi da banda, engraçado, um assédio até a Carol. Hahahaha Super divertido essa energia da galera!
Trapos Velhos tocou em seguida e me fez afastar do palco, não é nada pessoal é que eu realmente não tava curtindo aquele som. Coisa de gente fresca mesmo, mas é que hoje em dia as coisas estão tão pra frente que não dá mais pra brincar de ser rock star.
Voltei a prestar atenção ao palco quando a Jarakillers começou a tocar, gostei da volta da banda, achei um gás bem legal, só precisaram de mais tempo de ensaio, mais entrosamento, segurança que os shows podem dar à banda. Já estava cansada, o lance dos dois palcos ficou muito legal mas é realmente muito longe, as pessoas precisavam priorizar de que lado ficaram porque ficar pra lá e pra cá toda hora, ficou meio cansativo.
Com a promessa da continuação do evento, eis que a maior cagada que eu posso ter visto ao lado dos 15 anos de organização da equipe para o dia mundial do rock. A bilheteria era liberada, afinal de contas eles tinham recebido verba pra fazer a festa e ainda uma continuação “para convidados”, no Nativos Bar.
O calor era de matar e o bar não estava equipado sequer com um copo d’água, cerveja ou refrigerante ela luxo. Ai chegou o senhor que se disse organizador do evento, com um taxi contando os equipamentos para enfim, aproximadamente cinco minutos do fim do dia mundial do rock.
Não contrataram bar, não contrataram som e ainda queriam cobrar R$10 por pessoa com a desculpa de pagar o “som”. PAUNOCU! É lógico que ninguém ia pagar, era dia mundial do rock mano, todo mundo queria se drogar, se agarrar, rolar no chão, fazer o caralho, menos pagar. E as pessoas não paravam de chegar, a banda derradeira a se apresentar era meus amigos da Infâmia que estavam desde cedo, de prontidão esperando para tocar.
O show foi até legal mas a pirataria que ele saiu deu uma brochada, mesmo assim, ainda era possível ver os gatos pingados que continuaram lá mesmo diante de toda secura, calor, silencio e escuridão que tava o lugar. Muito triste, um cara ficar mendigando dinheiro por não ter feito o próprio trabalho, coisa minutos antes se orgulhou de que “há quinze anos ele organiza aquela merda”.Se liga nas estruturas do evento, vide foto acima!
Posso ser saudosista e até barrista mas é que eu gosto dessa data, quem acompanha esse blog aqui sabe que eu não deixo de ir justamente pra conhecer e ver os roqueiros entocados dessa cidade. Conheci pessoas, fiz amigos nessa data, presenciei cenas de meus amigos em situações divertidas e até deploráveis. Não queria que ficasse escroteado desse jeito!
Eu não quero tá nessa cidade para ver o Dia Mundial do Rock de 2014 mas se estiver, com certeza esse cara vai ser bem cutucado se continuar fazendo essas merdas, festa antidemocrática, irresponsável, que nem a maioria desses bucetas que assumem as casas de show e acabam assassinando pouco tempo depois.