Total de visualizações de página

sexta-feira, maio 27, 2011

Pompôo? Pompoarizo? Ou Pompuo?

Parece que essa história de falar putaria na internet realmente dá popularidade, não é exatamente isso que eu quero nesse blog, mas é sempre bom quando as pessoas leem as besteiras que passam pela sua cabeça.

Essa semana eu fui num curso de "sedução e sensualização" por uma especialista em pompoarismo. Fiquei  surpresa com a quantidade de pessoas que foram no evento, principalmente porque o ingresso custava R$100.

Acheio curioso o jeito serelepe como aquela centena de mulheres estava, altamente ouriçadas quando a palestrante falava alguma coisa sexual. Mas aí, depois eu conversando com algumas pessoas, eu percebi que fora o tabu que existe em falar de sexo, fazer sexo é tão tenso quanto. Conheco mulher que nao goza mesmo sendo casada e nao se preocupa com isso. 

As pessoas falam tanto em orgasmo que talvez muita gente nao saiba identificar quando tem um e acaba passando batido ou parando no estagio em que ainda nem O MELHOR momento.

Parte da culpa deve ser dada aos homens ligeirinhos mas também a própria mulher se anula e ainda abre mão do prazer próprio. Vai entender os "comprecsus" que as pessoas tem ne?

Outro dia eu tava conversando com um amigo e tava tentando explicar a diferença entre transar e gozar na prática e de acordo com o meu cotidiano. Isso tem tudo a ver com autoconhecimento e curiosidade. Isso parece tão obvio mas não acontece muito na vida de algumas mulheres que eu conheço.

O gozar pode ser unicamente automático e instaneo, dependendo da vibe, pensamento e ação que ta formando, isso, tando ou nao com um parceiro.  Vai no lance que as pessoas dizem que as mulheres solteiras precisam ter sempre "em mãos" os famosos consolos. Hehehe há controversias...

A mulher pode se matar na siririca ou nem pensar em sexo quando tá sem ninguém mas o contato a dois, homem e mulher é infinitamente mais prazeroso. O cara pode até não ser muito empenhado mas a atitude, o cheiro de desodorante cinza, o movimento repetitivo que chega a ferir, a respiração ofegante, a tara, o fogo, a pressa atrapalhada e até o silêncio que sucede o ato contam.

Quando eu tinha uns 13 anos, um amigo meu me ensinou uns exercícios básicos de pompoarismo, claro que ele nao deu esse nome, nem lembro que nome que ele deu, mas enfim, talvez se eu tivesse começado naquela epoca hoje em dia eu já seria capaz de expelir uma bola de pingpong da boceta. Hahahah Papo! Ou não. Depois de outras técnicas mais explicadas, vai ser uma pratica que eu devo começar mas só vai ser aplicado se o cara merecer. HAHAH

quarta-feira, maio 11, 2011

Proeza em menos de dois minutos:

Já passa da 0h e eu levantei SÓ pra apagar a luz do quarto, ae apreveitei que tava em pé e fui na cozinha pegar água.
Aproveitei que tava na cozinha, olhei uma carne que tava no fogão, não acendi a luz, sem querer bati num copo de vidro, derrubei o copo, o copo quebrou, pisei no vidro, não consegui tirar o vidro do pé,como tava com a penela da carne na mão, me desequilibrei e derrubei a tampa da panela.
Abri o freezer e fui atras de um gelo, achei um dindin de abacate.
E antes que fizesse mais merda resolvi voltar pro quarto.
Pulando só com um pé, um dindin geladão na boca!
DETALHE, a luz ainda tá acesa e eu não peguei nem bebi água!

terça-feira, maio 10, 2011

Post quente e úmido!


Com essa nova história de "140 caracteres" parece que esse lance de blog deu uma esfriada, por outro lado, estava dando uma olhada nos meus seguidores, verifiquei que existem vários desconhecidos e isso me estimulou a escrever mais uma vez nesse blog. 
O que não foi nenhuma surpresa, foi ter visto que o assunto mais lido em todo histórico do blog foi quando eu falei do “cabaço”, em 2007. Enfim, passado alguns anos e algumas experiências, voltarei a falar no assunto. Calma! Não vou contar nenhum detalhe sobre alguma experiência pessoal.
Se você ainda está lendo, prometo não decepcionar uma das minhas teorias sobre sexo. No caso, o sexo oral. Durante a relação sexual, sexo oral é praticamente fundamental para transformar aquilo ainda mais excitante.
Muitas mulheres, amigas minhas, praticam “o oral”, como se fosse uma troca de favores, e é, mas deveria ser visto de outro jeito. Não sei se é porque eu tive muito contato com amigos, e desde moleca recebi altos “intensivos” sobre tal ato, mas acredito que para a mulher é bem mais fácil chupar um pau do que para um homem uma boceta. Controversos, manifestem-se.
É só se apegar às analogias com pirulito, picolé, churros ou quaisquer outros alimentos roliços. Claro que não é tão simples assim, mas acredito que seja ainda mais fácil do que para os homens.
Aí está a minha inquietação, porque muitas mulheres, mesmo querendo em troca, nem sempre elas tem total segurança de que aquele parceiro vai saber fazer direitinho. Para que não haja frustração ou decepção, muitas delas até abrem mão.
Aquelas que não abrem mão de jeito nenhum e arrastam a cabeça do rapaz para a zona de prazer, a dica vai para os convocados, listarei alguns estereótipos clássicos e respectivas atitudes. 

Esfomeados: O clitóris pode até parecer mas não é chiclete, então não precisa tentar fazer bolas porque não vai funcionar. Encostar o dente dói, se sua parceira não gostar de sentir dor evite a mordida. 

Apaixonados: Algumas mulheres capricham na depilação e fica até bonito. Mas isso não quer dizer que você vai ficar apreciando como se não houvesse amanhã, seja objetivo para logo logo receber o seu. 

Cutuqueiros: Existe aquele ditado masculino que diz: Enquanto eu tiver língua e dedo, mulher nenhuma me mete medo!", muita calma nessa hora, lembra daquele que diz, “um é pouco, dois é bom e três demais”, a  vagina da mulher  tem várias zonas erógenas, o dedo é sempre um complemento, mas não confunda sexo oral com siririca, portanto “rebole a língua, baby”.

Pin-ball: A ideia de ficar com a língua pra cima e pra baixo é boa, mas tem que ter cautela, muitas vezes quando a mulher tá começando a pirar em um local, trocar não é a melhor opção. Pedir uma orientaçãozinha não tem problema, mas nada como “tá quente” ou “tá frio” a não ser que você queira dar uma de programa do gugu.

Kiko: Chegar nos finalmentes com aquela gata tão desejado deve ser uma conquista e tanto, mas isso não quer dizer que durante as preliminares vá ficar lambendo como se fosse um pirulito colorido. Lambida é legal, faça que dá certo, mas não há nada mais prazeroso do que uma boa chupada, não existe eufemismo para isso.

Sanguessuga: Calma, não é literalmente, a não que seja muita gana, mas é que existem alguns homens que preferem sugar ao invés de só chupar a mulher. Geralmente isso fica muito desconfortável e dependendo da força  chega até a doer, uma mistureba de tudo já citado em pequenas doses até pode fazer sucesso, mas é preciso muito conhecimento sobre as preferências da parceira. 

A dica universal para todos os tipos é que após certa intimidade, vale a pena estabelecer algumas exigências, “mulher pentulhuda não merece oral!”, isso sem falar do banho, a não ser que prefira o recheio de catupiry.