Total de visualizações de página

domingo, junho 26, 2011

Mania de querer ser “the one”

Muita gente vai querer se identificar com esse post de hoje, mas não contarei uma história específica, e sim, algumas observações que faço diante do comportamento de pessoas próximas.
Pegar um cara ‘pegador’ tem lá as suas vantagens, afinal de contas se ele já traçou várias meninas do mesmo nicho, alguma coisa boa ele tem (além da lábia). Algumas vezes rola até declaradamente uma recomendação, o que aumenta ainda mais a curiosidade de pegar o cara.
Pensando pelo lado geral da questão, é uma troca mútua de prazer, afinal de contas, aumenta a popularidade do cara e você mesmo sendo só ‘mais uma’ quem sabe, sabe que ali vale a pena passar por isso.
O problema é que geralmente esse status de cara pegador (não necessariamente safado), vem com o bônus de ser fofo, carinhoso, criativo, enfim, pra mim, faz parte do pacote, mas nem sempre todo mundo consegue enxergar isso. Aí entra no âmbito de querer ser A mulher da vida do cara.
A que vai tirar o cara da poligamia e tê-lo exclusivamente pra mim. Mentiiira. Pode até acontecer, mas é raridade. O cara mora sozinho, já não come mais a comidinha de casa há muito tempo, mas isso não faz falta porque tem sempre um tempero novo exalando na cozinha.
Na geladeira tem pratos orientais, regionais, africanos e de quaisquer nacionalidades que ele tenha conservado. Não vai ser você, nesse seu mundinho de princesa encantada que vai fazer o cara abrir mão disso.
Sai com o cara, no outro dia já dá aquela enxurrada de mensagens melosas, força piadinhas internas e muitas vezes já se acha intima suficiente para opinar sobre a roupa que ele vai vestir quando vão sair juntos.
O cara pra manter a bóia até segue pra fazer a média o que ilude ainda mais, portanto, mas é preciso manter ainda assim o mistério sobre a relação. Mesmo que ela não vá permanecer só na casualidade, vá até se tornar algo sério é preciso segurar um pouco do ouro para assim ter sempre algo a ser desbravado.
Mas o lance da conquista é assunto para um próximo post... 

ps- isso também é válido para os homens!

sexta-feira, junho 24, 2011

POST 100!

Essa é minha 100ª postagem aqui neste blog, confesso que não imaginava que ele duraria tanto. Mesmo com atualizações esporádicas nunca abri mão de escrever aqui.
De todos os assuntos já citados aqui, desde as piadinhas cretinas, os desabafos, as polêmicas, neste veículo esteja registrado um pouco do que eu sou e de como penso sobre a vida.
Hoje não sou mais uma adolescente rebelde, o assunto mudou, as letras estão mais presentes mas eu  espero que esse espaço continue sendo lido e propagado por aí. 

segunda-feira, junho 06, 2011

Sem #mimimi o namoro pode ir longe...

Não é de hoje que algumas amigas que ainda namoram reclamam sobre a falta de atitude dos namorados. Conversando com uma delas, eu percebi que esse lance de atitude que elas tanto cobram não é um bicho de sete cabeças. As vezes um gesto mais autêntico, menos óbvio faz toda a diferença. 
Eu concordo que entender o que se passa na cabeça das mulheres não é uma tarefa muito fácil, mas existem opções que podem surpreender e fazer com que os homens ganhem pontos com a parceira. 
Um exemplo disso é a escolha de um local para o fim de semana. A tão comentada rotina as vezes persegue casais e se o homem não procurar se impor na relação vai acabar perdendo certos direitos. Vale ressaltar que essa imposição, não significa mandar na mulher e obrigar que ela vá em um encontro para ver você bebendo, jogando videogame ou dominó com os seus amigos até altas horas da madrugada. 
Um grande segredo para que um namoro dê certo é a sociabilidade do casal tanto sozinhos quanto para com outros casais e amigos. Uma vez que o casal consegue dosar isso e outras ‘cositas’, pode contar com um bom futuro.
Uma atitude simples que geralmente faz toda a diferença, aconteceu outro dia com um casal amigo meu. Não vou citar nomes para que não haja controvérsias, mas ela era uma das que reclamava que o namorado era meio passivo na programação do casal.
Ele chegou um dia, com aquele discurso “te arruma que a gente vai sair”, até essa grosseria a gente engole, já que vai ser levado para um programa diferente. Basta um restaurante diferente, um passeio no parque no fim da tarde até uma sala diferente de cinema vale.
Parece até que as mulheres se contentam com pouco, mas na real, é que a gente não faz mais a linha menina-moça que sai da casa dos pais direto para casa do marido e segue adiante cuidado dos filhos e dos afazeres domésticos.
As mulheres querem fazer faculdades, MBAs, cursos e especializações. Querem ter bons empregos, independência financeira, dirigir, ter carro, não que os homens não almejam isso, mas eu analiso as mulheres uma necessidade mais imediata dessas ações. Mesmo com tudo isso a caminho, a mulher não vai querer ter que decidir até o canto da mesa em que vai sentar quando chegar o final da semana.
Claro que ainda existem as moemas, que seguem essa linha do tempo da vovó, alguns homens até preferem para que não haja opiniões contrárias.  Porém, a maioria das minhas amigas são diferentes e querem atitude masculina.