Total de visualizações de página

sexta-feira, março 12, 2010

Rock pra Valer está de volta!



Several, Anônimos Alhures e Playmobils são as primeras atrações de 2010

O "Rock pra Valer – Shows acústicos" está de volta em 2010, desta vez para realizar três apresentações que prometem surpreender o público fã de música alternativa da cidade. Several, Anônimos Alhures e Playmobils são as bandas que irão se desplugar no dia 20 de março, no Espaço Cultural Valer (altos da Livraria Valer, na rua Ramos Ferreira, 1.195, Centro), a partir das 18h30, com ingressos no valor de R$ 2.

A Several apresenta o disco “Carma” ao som dos violões e de arranjos que os fãs, acostumados com o som pesado do disco, nem imaginam no formato acústico. Músicas como “Hiroshima”, “Estação solidão” e “Clímax” são só alguns exemplos que estarão no repertório do show.

A Anônimos Alhures, que desponta no cenário de bandas de rock alternativo da capital baré, apresentado seu rock de garagem com guitarra distorcida ao estilo power trio. Outro desafio para o grupo que nunca realizou uma apresentação ao estilo “banquinho e violão”.

Já o rock babaloo animado e dançante da Playmobils ganha versões em acordes de violão para o show do dia 20. Trabalho para os músicos que irão manter a mesma pegada dos shows ao elétricos, só que agora, em versão acústica.

A noite ainda irá contar com discotecagem e stands comandados por Bruno Uchoa da Dog Hot Dog Distro.

O Rock pra Valer é uma realização da Paranoise Produções em parceria com a Livraria Valer. O evento acontece a cada dois meses propõem às bandas da cidade desplugarem os instrumentos e realizar shows acústicos.

quinta-feira, março 11, 2010

Eca Festival - forte candidato a 'Fiasco do Ano'

Sempre eu esqueço que tenho que atualizar isso aqui. Não faço o tipo que esqueceu o blog depois do twitter. Mas é que geralmente usava o computador durante a madrugada. Depois que meu laptop deu game over, fiquei off line durante a noite. Enfim, o motivo do meu post foi praticamente prometido pela minha leitora fiel Rosa ‘Pikenices’ Moraes, o fiasco que foi o Eco Festival, evento que prometia mais de 20 bandas, entre locais e nacionais.

Autoramas era a minha preferida, ia matar a saudade no show também anunciado para sexta-feira ao lado de uma das minhas bandas locais preferidas, chamada Underflow. Os shows cancelados, perdi o motivo para ir, mesmo assim fiquei curiosa para saber quais seriam as remanescentes. Não quero falar dos shows em si, apesar de ter achado ducaralho o fato do Rodrigo dos Santos ter subido no palco mesmo sem banda e sem dindin no bolso.

Meu questionamento é quanto a uma produtora como essa, usando as palavras do meu amigo Anderson Mendes em relação ao cinema amazonense, aqui tem mais critico de cinema do que cineasta.

Daqui a pouco, terão mais produtoras do que bandas. Não que isso vá diminuir o grandioso ‘cenário’ local, mas será que essa é a hora de montar eventos assim? Minha outra dúvida é quanto o investimento da coisa como ela é. Afinal de contas, para qualquer empreendimento, não dá para querer nascer grande assim do nada. Principalmente quando já se furou com um evento há menos de dois anos, e ou, já pegou um pino de um outro evento.

Se eu quero que minha banda preferida toque na festa do meu aniversário, e meu pai tem dinheiro para bancar. Ótimo! Mas não rola fazer disso uma profissão.

Diferente de muita gente cricri que tem por ae, eu não tenho nada a ganhar com um evento furado como esse. Muito pelo contrário, eu como jornalista e produtora cultural, só tenho a perder. Afinal de contas, não é produtor A ou produtora B que vai ter o filme queimado. É na maioria das vezes, generalizado como a cidade de Manaus.

O João Gordo por muitas vezes contou que o Ratos não vinham pra Manaus há tempos, justamente por esse tipo de gente que promete as coisas e quando chega em cima da hora, fura.

E por aqui, a gente tem bastante exemplo de produtores 171, que já queimaram o filme da cidade quando se trata de eventos de fora. Triste. Quando for minha vez, posso pagar o pato

É realmente muito triste que isso aconteça por aqui. Eventos e situações como essa, vai deixar não só as bandas de fora, quanto o publico daqui descrédulo para proximos bons eventos.

Aí esclarece algumas coisas: É por isso que o povo ainda frequenta casas de shows, que oferecem bandas covers que tocam as mesmas musicas todos os dias da semana por muitos anos.

Outra. É por isso que neguinho quando reabre um bar, se diz outro nome mas nao faz nenhuma mudança significante e ainda cresce o olho quando tem um "revival"da vida, e se mostra pouco se fodendo para os frequentadores da casa, vendendo cerveja escrota, com valor triplicado e quente. Nao cuida de banheiro, iluminação e estrutura geral da casa.

Enfim, se você neste exato momento está pensando, "sim, e aí? ta falando mal mas o que tá fazendo para isso mudar?". Eu lhe respondo meu nobre leitor, mesmo sabendo que sou livre do direito de criticar qualquer tipo de manifestação. Tenho minhas contra-partidas, uma delas é o projeto Rock pra Valer que é produzido pela Paranoise Produções, na qual eu faço parte, em parceria com a Livraria Valer. Os eventos propoe as bandas locais que tem um material autoral, readaptarem suas músicas para versão acústica.

O primeiro evento desde ano, será no próximo dia 20, a partir das 18h30 com as bandas Several e Anonimos Alhures. E o ingresso no valor de R$2.

Um outro projeto que está encaminhado, é o da Revista Intera, esse eu falarei mais a frente, e também, como você leitor, pode contribuir com ela.

Por enquanto é só pessoal, peço que pensemos sobre a qualidade dos eventos que são produzidos na cidade.